"Enquanto não conseguirmos suprimir qualquer uma das causas do desespero humano, não teremos o direito de tentar a supressão dos meios pelos quais o homem tenta se livrar do desespero."
Antonin Artaud

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Amor fantasma de um louco jovem Sonhador


Sonhar um amor sem rosto, mas com muito gosto
e gozo, é sonhar um amor melodia.
Que boa fantasia não "sonhar" um rosto;
Que grande alegria poder forjar um
gosto.

Vislumbrar um lugar maravilhoso e impossível,
nos abraços de um amor intangível, é fotografar
a melodia de uma canção que cansa o coração
depois de uma lágrima doída, tão temível.

Você que jaz de uma
película onírica,
não morreu por não nascer,
não sofreu porque nem amou,
agonizou como um fantasma egoísta
os remorsos de um nascido, amado, amador

Sonhar o vislumbre de você
foi mergulhar num achar-que-pode,
se aprofundar numa vontade de morrer
por tanto amar esse Nada que Dói.

Nada é você,
que poderia ser nuvem, mas não é.
que poderia ser mais quente, e não o é.
que poderia ser - finge! - a metade do que não sou.

Você que não é
Nada e faz sentir, torna-se Música. Musa de um Louco Jovem Sonhador.

R

2 comentários:

Gilson disse...

Amigo, sinto intensamente este seu poema, sinto a tempestade do qual nasceu e peso da veracidade que nele se encontra. E nao poderia concordar mais. Os versos...

"Nada é você,
que poderia ser nuvem, mas não é.
que poderia ser mais quente, e não o é.
que poderia ser - finge! - a metade do que não sou."

bem retratam a fugacidade do ideal, do perfeito imaginário.

Grande poema cara, muito bem escrito.

souzamt disse...

sinto.
imerso nas tuas palavras.
nos teus devaneios, nos teus nadas.
que de tanta semelhança,
se fazem meus.
aquilo que poderia ser nuvem,
e não é.
que poderia ser jovem,
e mesmo sendo, não é.
que poderia ser,
entretanto, apenas o é pela metade.
um eu pela metade,
e avesso.
vivendo um capricho da imaginação.


marcus.